Ariana Grande: a falta de originalidade de uma artista

Uma das queridinhas da América, Ariana Grande já está nas graças do povo. Agora só falta criar uma identidade musical própria e não copiar Fergie, Gwen Stefani e Jennifer Lopez.

Bonita, carismática e ícone da geração de jovens atual. Sabe o que seria algo incrível para caracterizar Ariana Grande? Originalidade. Apesar de ter uma voz muito potente – podendo ser comparada com a incrível Christina Aguilera – parece que Ariana ainda não identificou sua assinatura musical, muito menos teve desenvoltura suficiente para criar novos acordes. Mas das letras, não podemos falar nada – essas são originais.

Na última sexta-feira (17), o Twitter foi à loucura: com o lançamento do álbum Sweetener, a cantora voltou a marcar presença na boca do povo e da indústria musical. Quando ela se refere ao álbum como algo que ela nunca havia feito, ao mesmo tempo que é algo “estranho” sobre a arte de estar “ok”, talvez ela queira dizer outras coisas: falta de criatividade para criar. Afinal, a primeira ouvida vista, o álbum inteiro é um tanto nostálgico. Uma balada dos anos 2000, misturado com batidas e vocais alá Mariah Carey e Jennifer Lopez. Seria legal se fosse uma homenagem às divas, mas quando não é uma homenagem declarada e não é só uma coisa ou outra que poderia ser considerada referência, a sensação de estranheza fica mais forte.

 

Entenda as referências nas músicas de Sweetener

Todo mundo sabe que Ariana é uma das queridinhas da América. Ela é fofa, bonita, dona de um vozeirão e quase uma deusa – segundo a Revista Elle. Porém, a própria música título, “Sweetener”, lembra muito da parceria de Mariah Carey com Boyz II Men: One Sweet Day”. A partir de então, as semelhanças só aumentam.

 

Claro que com uma mudança aqui e ali, enquanto a voz da cantora faz acordes mais atuais que os do início dos anos 2000. Inegavelmente que seguimos vendo semelhanças e uma provável falta de identidade. Afinal, qual é a moral de lembrar várias cantoras se você não é lembrada por algo próprio?

A faixa The Light Is Comming, em parceira com Nicki Minaj, fortalece parceria potente e presente na carreira da jovem de 25 anos. No entanto, se ela não te lembrar de qualquer música da Fergie de 12 anos atrás, como Fergalicious” ou “London Brigde”você definitivamente é muito novo para lembrar do sucesso de Black Eyed Peas. Aliás, além de Fergie, a música lembra outra grande artisita: Gwen Stefani em “Rich Girl”

 

ariana

 

Já em Breathing, qualquer semelhança com “Don’t Go Breaking My Heart”, do Backstreet Boys não é mera coincidência. Banda com grande presença na música nos anos 90 e 2000, eles marcaram pelas suas batidas. E é exatamente isso que lembra na música de Ariana. 

 

 

Mas o que realmente chamou a atenção foi a música Everytime. Uma baladinha agradável, com uma identidade forte… com a marca da Jennifer Lopez. Aliás, na troca de uma música para a outra, não houve tanta diferença. Escute:

 

 

Um Ariana com identidade própria

Todas as música de “Sweetener” tem seus próprios acordes e que nenhuma é uma cópia exata das músicas que nos referimos.  Ao mesmo tempo em que Grande tem uma excelente voz. No entanto, as semelhanças existem até demais. Neste sentido, esperamos que os próximos trabalhos da cantora sejam mais específicos, como uma assinatura da própria Ariana. Afinal, queremos que as pessoas lembrem da sua produção assim como lembramos de Backstreet Boys, Jennifer Lopez, Mariah Carey, Fergie e Gwen Stefani.

Ao menos os clipes são muito bem produzidos e originais.
SOBRE O AUTOR

Ana Szezecinski

Aquela do sobrenome complicado e que usa protetor solar 50. Jornalista.

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.