Cafezinho 23/06: confira os assuntos comentados

Imagem: Senasa (Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agro-Alimentar) Novo decreto para Porto Alegre Publicado na madrugada desta terça-feira (23), […]

Imagem: Senasa (Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agro-Alimentar)

Novo decreto para Porto Alegre

Publicado na madrugada desta terça-feira (23), novo decreto assinado pelo prefeito Nelson Marchezan faz Porto Alegre ficar em situação semelhante à de março, quando havia amplas restrições para conter o avanço do coronavírus. Pelas novas regras, fica estabelecido que comércio, indústria e construção civil deverão interromper novamente as atividades na Capital.

Marchezan criou um cronograma para que as atividades se adaptem às novas regras:

Comércio e serviços – paralisam as atividades a partir de quarta-feira;

Setores da alimentação – paralisam as atividades a partir de quinta-feira;

Indústria e construção civil – paralisam as atividades a partir de sexta-feira;

Clique aqui para conferir a matéria na íntegra. 

Advogado diz que abrigou Queiroz por questão humanitária

O ex-advogado do senador Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Frederick Wassef, afirmou em entrevista ao telejornal SBT Brasil, que abrigou Fabrício Queiroz na sua casa, em Atibaia no interior de São Paulo, por “questões humanitárias”.

Em sua versão sobre o paradeiro de Queiroz, o ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Wassef disse: “O que eu tenho para dizer é o seguinte: jamais escondi Fabrício Queiroz. Ele estar lá (no imóvel de Atibaia)  não é nenhum crime, nenhum ilícito, não é obstrução de justiça. Não há nenhuma irregularidade”.

“(Foi) também uma questão humanitária. Porque (é) uma pessoa que está abandonada, uma pessoa sem recursos financeiros, com problemas de saúde e que o local era perto”, completou Wassef.

Clique aqui para conferir a matéria na íntegra.  

Nuvem de gafanhotos está próxima do Rio Grande do Sul

Uma nuvem de gafanhotos está a cerca de 250 quilômetros da fronteira do Rio Grande do Sul com a Argentina. A preocupação das autoridades do setor agropecuário e de produtores rurais é o dano que os insetos possam causar às lavouras e pastagens, se houver infestação.

A dieta do inseto varia, conforme a espécie, entre folhas, cereais, capins e outras gramíneas. Segundo informações repassadas à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul, a nuvem é originária do Paraguai, das províncias de Formosa e Chaco, onde há culturas de cana-de-açúcar, mandioca e milho. A espécie é a Schistocerca cancellata.

De acordo com a pasta, especialistas argentinos estimam que os insetos sigam em direção ao Uruguai. A ocorrência e deslocamento da nuvem de gafanhotos são influenciados pela temperatura e circulação dos ventos.

O fenômeno é mais comum com temperatura elevada. Segundo o setor de Meteorologia da secretaria gaúcha, há expectativa de aproximação de uma frente fria pelo sul do estado, que deve intensificar os ventos de norte e noroeste, “potencializando o deslocamento do massivo para a Fronteira Oeste, Missões e Médio e Alto Vale do Rio Uruguai”.

Clique aqui para conferir a matéria na íntegra.  

Você, assim como o Edu, acha que uma raquete elétrica ajudaria em um caso de infestação de gafanhotos?
SOBRE O AUTOR

Natalie Oliveira

Jornalista que ama séries e café - @natalieoliv_ no Instagram.

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.