Donavon Frankenreiter em Porto Alegre: melhores momentos

No último dia 7 de janeiro, o californiano Donavon Frankenreiter fez um show sereno e divertido na capital gaúcha. O […]

No último dia 7 de janeiro, o californiano Donavon Frankenreiter fez um show sereno e divertido na capital gaúcha. O músico trouxe a turnê “The Record Player Tour“, que mistura instrumentos ao vivo e base gravada em vinil.

Nem mesmo a temperatura alta impediu os porto-alegrenses de lotarem o bar Opinião. Foi meu primeiro show dele e confesso que conhecia pouca coisa da carreira do artista, além dos grandes hits como “Free” e “It Don’t Matter” ou das parcerias com Jack Johnson – outro grande artista da surf music.

Mais de vinte anos de carreira consolidada

Donavon Frankenreiter

foto por Maria Eduarda Michael

Donavon tem mais de duas décadas de experiência com surf music. No repertório da “The Record Player Tour“, estavam os mais recentes lançamentos como “Them Blues“, “Boom Boom“, “Is It You” e “Could Be One of Those Days“. Estas novas canções estão presentes no disco “Bass & Drum Tracks” (2019), recente coletânea que reúne seus maiores sucessos e algumas novidades.

O cantor obviamente também é surfista profissional e sempre comenta amar as praias e a cultura brasileira. O país felizmente é quase sempre incluído em suas turnês há mais de dez anos. Além disso, em 2018 Donavon participou de um documentário chamado “Criando Ondas”, em parceria com a Ford justamente sobre as praias catarinenses.

Música ao vivo + gravações em vinil

A novidade desta turnê é justamente a mistura dos instrumentais de Donavon e do parceiro Matt Grundy com a base gravada em vinil. No fundo do palco, o tocador de discos reproduz os baixos e bateria em perfeita sincronia, com direito aos estalos e ruídos tradicionais do toca-discos.

“Nós amamos discos de vinil e somos completamente viciados em equipamentos vintage (…)  foi por isso que tive essa ideia”, comenta Donavon em comunicado à imprensa

Quando pensamos em “instrumentais gravados”, rapidamente pensamos em “playback” ou em um show mais mecânico e pouco real. Nada disso aconteceu neste show, pois Donavon e Matt conseguem manter a leveza, sonoridade e ainda encantar toda a plateia. A grande maior parte das músicas era cantada pelos fãs ou acompanhada com palmas e assobios.

Mesmo não podendo acompanhar a maior parte (por não conhecer as letras), me encantei por praticamente todas as músicas e pela serenidade de Donavon. O cara visivelmente ama o que faz e sabe muito bem envolver o público, mesmo falando pouco entre as músicas.

Leia também: Entrevista com Vitor Kley e melhores momento do show

Desta vez, a passagem pelo Brasil foi extensa. O cantor também se apresentou em São Paulo, Rio de Janeiro, Florianópolis, Bombinhas, Fortaleza, Recife e Curitiba. Espero que volte logo 😀

SOBRE O AUTOR

Maria Eduarda Michael

Apaixonada por shows e pelo U2.

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.