A inovação de Star Wars: Os Últimos Jedi

Como a maioria deve saber, no dia 14/12/2017, houve a pré-estreia de Star Wars: Os Últimos Jedi. O filme mais […]

Como a maioria deve saber, no dia 14/12/2017, houve a pré-estreia de Star Wars: Os Últimos Jedi. O filme mais aguardado da nova saga Star Wars surpreende, pois pegou alguns fãs desprevenidos, com uma narrativa bem diferente da que era esperada.

Eu não sou nenhuma crítica de cinema, mas como fã, eu me decepcionei muito com o filme. Depois de Star Wars: O Despertar da Força, que apresentou muito bem a saga para a nova geração, a expectativa para a continuidade do filme era enorme, principalmente com as críticas dizendo que seria o melhor filme da saga. Bom, para mim, não foi.

A emoção e a angústia que tivemos ao ver  O Despertar da Força e Rogue One não foi reproduzida muito bem em Os Últimos Jedi. Um filme de duas horas e meia que não consegue sustentar seu tempo. Houve muitas cenas que pareciam perdidas no meio da história e outras em que se focava mais na ação do que no desenvolvimento dos personagens, tornando a narrativa cansativa.

Mas calma mores, o filme teve seus pontos fortes, como por exemplo ele nos surpreender com o caminho que a trama está tomando. O diretor Rian Johnson fez questão de tomar caminhos inesperados no filme.

Mas um grande problema foi ter desenvolvido pouco algumas situações, como o treinamento da Rey, que foi raso. Finn também ficou um pouco perdido nessa história, mesmo com o novo romance, acredito que ele foi o personagem que mais foi deixado de lado.

Mas PRECISAMOS falar de Kylo Ren (ou Ben Solo). Ele é um “vilão” completamente diferente do Darth Vader. O ator Adam Driver expressou com maestria a confusão sofrida pelo personagem, que está desnorteado num momento em que suas fraquezas são jogadas na sua cara, como o fato de ser apenas uma criança mimada com uma máscara. Acredito que as decepções vividas por ele vão torná-lo um grande vilão pro próximo filme, porquê se tem uma coisa que esse menino está, é com raiva.

Acredito que o filme pecou um pouco no humor. Star Wars sempre teve sua saída humorística para algumas situações, mas Os Últimos Jedi exagerou. As sacadas de comédia ficaram completamente fora do tom, mesmo sendo engraçadas, elas tiravam a seriedade da situação, como a primeira aparição de Luke, que foi muito decepcionante.

Ah, quase esqueci do melhor personagem: Porg!!

Bom, na minha humilde opinião, eu diria que os próximos filmes irão agradar mais os fãs da nova geração do que os fãs de longa data, pois se seguirem o mesmo tom de Os Últimos Jedi, não terão a mesma métrica séria dos filmes antigos, e sim uma coisa mais “Marvel”, misturando comédia e cenas de ação, com pouco desenvolvimento pessoal dos personagens.

 

 

SOBRE O AUTOR

Isadora Catarina

Oi eu sou a isa isa isa isa, nerdzona e a louca das séries e filmes. Curso Jornalismo mas um dia ainda vou vencer na vida como youtuber. Não me xinga que eu choro. Beijo na bunda amo vocês. <3

COMENTÁRIOS

Uma resposta para “A inovação de Star Wars: Os Últimos Jedi”

  1. Ao mesmo tempo, somente O Império Contra-Ataca tem reviravoltas e momentos dramáticos como Os Últimos Jedi. Amei o elenco do filme, especialmente a Laura Dern é uma atriz preciosa que geralmente triunfa, eu amo os Laura Dern filmes. Recém a vi em Fome de Poder, inclusive a passarão em TV sendo sincera eu acho que a sua atuação é extraordinário, em minha opinião é a atriz mais completa da sua geração, mas infelizmente não é reconhecida como se deve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.