Lady Gaga, Selena Gomez e Paulo Gustavo: o que estes artistas têm em comum na luta contra o racismo?

Diversos protestos sucumbiram nos Estados Unidos após a morte do ex-segurança George Floyd, que se tornou o novo símbolo da […]

Diversos protestos sucumbiram nos Estados Unidos após a morte do ex-segurança George Floyd, que se tornou o novo símbolo da discriminação racial no país. Entendendo sobre a sua influência e lugar de fala, personalidades estão cedendo as contas nas redes sociais à quem luta há tempos contra as injustiças raciais. Para que as vozes, muitas vezes caladas, alcancem cada vez mais pessoas.

No início desta semana, a cantora Lady Gaga fez um pronunciamento no seu perfil do Instagram, no qual demonstrou apoio à luta contra o racismo e criticou duramente o posicionamento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump frente aos últimos acontecimentos no país: “Nós sabemos há muito tempo que o Presidente Trump falhou. Ele possui o cargo mais poderoso do mundo e não oferece nada além de ignorância e preconceito, enquanto vidas negras continuam a ser levadas”. Gaga também divulgou organizações de defesa à comunidade negra e luta contra a injustiça racial no país, para as quais realizou doações.

Nesta quinta-feira, 04, a cantora publicou um aviso que sua conta foi cedida para tais organizações realizarem postagens sobre o movimento negro e a luta antirracismo:

 

A partir de amanhã, vou dar minha conta no Instagram para cada uma das organizações que doei recentemente, em um esforço para amplificar suas vozes importantes. E depois disso, eu prometo que vou postar regular e perpetuamente, em todas as minhas plataformas de mídia social, histórias, conteúdo e outras formas de levantar as vozes dos incontáveis membros inspiradores e grupos dentro da comunidade negra.

A atriz e cantora Selena Gomez também se pronunciou: “após pensar qual seria a melhor maneira de usar a minha rede social, decidi que precisamos ouvir mais vozes negras. Nos próximos dias estarei destacando líderes influentes e dando a eles a chance de assumir meu Instagram para que eles possam falar diretamente com todos nós. Todos temos a obrigação de fazer melhor e podemos começar ouvindo com o coração e a mente abertos”.

 Nesta sexta-feira, 05, Alicia Garza, co-criadora da organização Black Lives Matter e diretora do Black Futures Lab, fez sua apresentação no perfil de Gomez. Em um vídeo de quatro minutos, Garza explicou a situação que está ocorrendo nos Estados Unidos, o motivo dos protestos e maneiras para que a população possa se envolver na causa.

 

No Brasil, o ator e comediante Paulo Gustavo também aderiu ao movimento e durante o mês de junho sua conta estará sob os cuidados da escritora e ativista Djamila Ribeiro: “Essa é uma luta de todas e todos! Conhecer e entender o racismo no país é nossa responsabilidade política! Já li livros e artigos dela e acho ela uma gênia! Estarei acompanhando essas aulas e voltamos a nos encontrar em julho!”. Na quinta-feira, 04, Djamila fez sua primeira publicação, m que agradeceu o espaço cedido e expôs quais serão os assuntos abordados neste mês:

View this post on Instagram

aqui é Djamila Ribeiro. Alguns de vocês normalmente me veem na página @djamilaribeiro1, mas nesse mês de junho também estarei aqui ocupando a página do queridíssimo Paulo Gustavo, o qual, numa ação histórica, cedeu sua página para que eu estivesse aqui conversando com vocês. . Às pessoas que não me conhecem, peço licença aqui me apresentar. Sou mestre em Filosofia Política pela Universidade Federal de São Paulo, autora de três livros: Lugar de Fala, Quem tem medo do Feminismo Negro? e Pequeno Manual Antirracista. Coordeno a Coleção Feminismos Plurais, que publica autoras e autores negros em livros didáticos e críticos. E também sou professora de jornalismo contra hegemônico na PUC-SP. Muito prazer! . Durante esse mês, vamos tratar de relações raciais, de lugar de fala, racismo estrutural e tantos outros temas fundamentais para a sociedade. Vamos discutir como nós podemos impactar na realidade de grupos sociais vulnerabilizados. Vivemos num país cujas desigualdades possuem origens históricas e entender esse processo nos ajuda a pensar o futuro. . Nesse primeiro vídeo, você pode conhecer um pouco de meu trabalho. Nossa aula começa no próximo encontro. Vocês podem deixar nos comentários temas que gostariam que fosse tratados. Teremos vários encontros aqui. Espero vocês!

A post shared by paulogustavo31 (@paulogustavo31) on

 

À convite de Paulo Gustavo, a atriz Ingrid Guimarães também aderiu ao movimento e, uma vez por semana, o ativista e YouTuber Spartakus Santiago, fará lives com pessoas influentes e intelectuais negros para conversar sobre assuntos importantes. A primeira conversa foi com o escritor e podcaster Ale Santos, realizada ontem (05 de junho), sob o tema de Genocídio Negro e Eugenia. Você pode assistir no perfil de Guimarães:

 

SOBRE O AUTOR

Natalie Oliveira

Jornalista que ama séries e café - @natalieoliv_ no Instagram.

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.