“O Grande Circo Místico”, a aposta do Brasil para Filme Estrangeiro

Filme dirigido por Cacá Diegues foi o selecionado por comissão para representar o Brasil no Oscar 2019. Será que temos chances?

Semana passada falamos de algumas previsões de especialistas para o Oscar 2019. Pois nesta semana falaremos do prêmio de Filme Estrangeiro. Porque o Brasil decidiu na terça-feira o filme que vai tentar uma indicação na categoria: “O Grande Circo Místico”. O longa, baseado em um poema de Jorge Lima, é dirigido por Cacá Diegues, em sua sétima vez escolhido como representante. Mas até hoje ele nunca foi indicado.

 

Bem, é verdade que apenas quatro filmes brasileiros concorreram na categoria nos 90 anos de Oscar. O último deles foi “Central do Brasil”, em 1999. Fernanda Montenegro também concorreu naquele ano ao prêmio de Melhor Atriz. Até agora, inclusive, foi a única intérprete do país a ser indicada. No entanto, mais uma vez saímos de mãos abanando. Os outros derrotados foram “O Pagador de Promessas”, em 1963, “O Quatrilho”, em 1996, e “O Que é Isso, Companheiro?”, em 1998.

Oscar 2019

 

Outros filmes brasileiros, como “Cidade de Deus” e “O Menino e o Mundo”, também foram indicados ao Oscar em outras categorias e marcaram história. “Cidade de Deus”, por exemplo, teve quatro indicações: Direção para Fernando Meirelles, Roteiro Adaptado, Edição e Fotografia.

Oscar 2019

 

Já “O Menino e o Mundo” não só foi a primeira animação brasileira a ser indicada na categoria de Animação, como também da América Latina. Naquele ano, perdeu para “Divertida Mente”.

Oscar 2019

 

Mas o prêmio mais sonhado, o de Filme Estrangeiro do Ano, ainda não veio. O mais perto que chegamos dele foi em 1960, quando “Orfeu Negro” ganhou. O filme, gravado no Brasil e falado em português, era uma produção francesa, no entanto. Éramos apenas co-produtores do longa.

Não podemos nem cogitar que nunca ganhamos pelo fato de sermos um país da América do Sul. Porque a Argentina já ganhou duas vezes em sete indicações e o atual vencedor do Oscar é o Chile. O que só prova que há espaço para filmes latinos lá. Outro fato que reitera isto é que “O Segredo dos Teus Olhos”, o segundo filme argentino a ser premiado, em 2010, ganhou até uma versão americana, estrelada por Julia Roberts e Nicole Kidman.

Oscar 2019

Por que não conseguimos, então?

A indicação para o Oscar é um processo que inclui campanhas, coquetéis, coletivas de imprensa e muita disposição dos envolvidos. Ou seja, vai além só da qualidade da obra, que também conta. E muito. Por causa disso, muitas vezes a seleção do filme pelo Brasil foi baseada em “achismos”.

É bonito. É leve. É artístico. É instigante. É adequado ao público votante.

Várias são as justificativas dadas, mas o fato é que não se tem uma receita certa de sucesso. O atual campeão, “Uma Mulher Fantástica”, tem uma mulher transexual como protagonista. Você imaginaria a Academia, com toda sua pompa e circunstância e tantos eleitores velhinhos e conservadores, premiando um filme assim há alguns anos?

Oscar 2019

 

O Brasil ainda evita certas temáticas. Quando “Tropa de Elite” foi lançado, mesmo com todos os elogios da crítica, inclusive internacional, optou-se pelo drama passado na Ditadura “O Ano em que meus Pais Saíram de Férias”. Porque acharam que “Tropa de Elite” seria muito violento para os votantes. Ok, acabou que o filme que foi escolhido chegou a ficar entre os nove pré-selecionados, mas não passou para a final.

Oscar 20019

 

Que fique claro:

Oscar 2019

Não se está criticando a escolha dos filmes, porque obviamente todos têm suas qualidades, caso contrário não seriam selecionados. O que está se dizendo aqui é que às vezes se vai por um caminho menos óbvio, enquanto outro estava mais claro.

Porque sem dúvida alguma a recepção internacional ajuda a garantir uma indicação. Então deveria se prestar mais atenção nela. Nesse ponto, o paraguaio “As Herdeiras”, o mexicano “Roma” e o libanês “Cafarnaúm” já saem com vantagem para 2019. Todos eles premiados em grandes festivais.

Oscar 2019

“O Grande Circo Místico” estreou em um deles, em Cannes. Mas saiu de lá com recepção morna, apesar das palmas calorosas. A revista americana The Hollywood Reporter reclamou da quantidade de personagens que entram e saem sem terem tempo de ao menos se desenvolverem, enquanto a britânica Screen International avaliou que apenas alguns momentos do filme são realmente memoráveis.

Outros dois filmes nacionais que concorriam à vaga de representante estão tendo mais sorte lá fora. “Benzinho” e “Ferrugem”, também dramas, até ganharam alguns prêmios internacionais. E foram os grandes campeões do recente Festival de Gramado, em que “O Grande Circo Místico” esteve como filme de abertura e fora da competição. Mas também não é a primeira vez que um filme elogiado e premiado internacionalmente é preterido por outro.

 

O caso “Aquarius”

Oscar 2019

O caso mais recente foi o de “Aquarius”, que deixou de ser o selecionado em 2016 e viu “Pequeno Segredo” ser escolhido representante do Brasil. Por trás do caso, ainda paira a suspeita de que era uma represália à equipe do primeiro filme, que no tapete vermelho de Cannes protestou contra o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Porque, sim, na época era o Ministério da Cultura que selecionava o candidato. Agora é uma comissão da Academia Brasileira de Cinema.

 

Oscar 2019

A justificativa dada na época, no entanto, foi de que “Pequeno Segredo” era algo mais palatável aos olhos dos membros da Academia. Acabou não sendo. Assim, o filme protagonizado por Sonia Braga perdeu a chance de tentar chegar à maior premiação do cinema. E a própria Sonia Braga também. Atriz brasileira radicada nos EUA, inclusive com três indicações ao Globo de Ouro por produções americanas, ela estava entre as cotadas a uma indicação de Melhor Atriz em várias listas de previsões daquele ano. Sua atuação era elogiadíssima. No entanto, seu nome sumiu quando o país escolheu outro filme.

Oscar 2019

 

Mas voltando ao Grande Circo Místico…

Oscar 2019

Polêmicas à parte, é claro que vamos torcer para “O Grande Circo Místico” chegar lá. “O mundo precisa de um pouco de poesia e magia, e o filme do Cacá vai fazer isso muito bem”, disse a produtora Lucy Barreto, presidente da comissão que selecionou o longa como nosso representante. Concordamos com a parte de que o mundo precisa de poesia e magia. Mas esperamos que o filme colabore para isso e encante a Academia do Oscar a esse ponto.

 

Oscar 2019

Por aqui, “O Grande Circo Místico” só entra em cartaz em novembro. Até lá, teremos que esperar para conferir a história do longa sobre um século de um circo de família, cheio de magia, mistério, amor e encantamento. Até lá, teremos que ficar na torcida pela indicação, que valorizaria o nosso cinema e o trabalho de tantos profissionais que fazem dele não só sua arte, mas sua forma de viver. Até lá, por enquanto, ficaremos rindo de nervoso cheios de expectativa, não das piadas do palhaço de um picadeiro.

É esperar para ver, respeitável público.

SOBRE O AUTOR

Lucas Adolfo

Escrevi meu primeiro livro (de muitos, espero) aos 10 anos e me formei publicitário aos 20. Espero que com 30 ganhe um Oscar - ou vire comentarista da premiação na Globo, pois acho que sou capaz de opinar. Um beijo pra Glória Pires!

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.