Vivendo clandestinamente: coisas que fazíamos escondido dos pais

Segundo Simone Cabral, na hora da c*gada, é pros pais que corremos. Porém, enquanto ela não acontece, podemos tentar aproveitar […]

Segundo Simone Cabral, na hora da c*gada, é pros pais que corremos. Porém, enquanto ela não acontece, podemos tentar aproveitar a vida o máximo possível. Ou seria esconder a vida? Ou viver clandestinamente? O que importa é que sim, fizemos coisas escondido! Seja gente como a gente e veja o que os membros do Cafezinho fizeram sem os pais saberem:

Bivis

Eu vendia meus desenhos MEGA artísticos pra minha vó, sem a mãe saber. O problema é que a vó gastava toda a pensão dela pra comprar eles. Quando a mãe descobriu, me proibiu de vender coisas pra minha vó.

Simone

NÃO CONTA PRA NINGUÉM, MAS eu e um grupo de amigos da vizinhança descobrimos gibis sensuais embaixo do colchão da cama dos pais de um dos amigos. Ficamos CHOCADOS ao descobrir isso, mas todo mundo da rua se juntava para ver juntos. A gente também roubava o carro do pai – mas juro que era seguro porque não tinha carro na rua.

Cris Pereira

Tomamos um garrafão de vinho escondido do pai – mas pensa em vinho colonial: aquele que tu fica com a boca e os dentes ROXOS de tão forte. A gente era piá de merda, gurizão, e tentamos esconder do pai quando ele chegou. SÓ QUE a gente já estava mais prá lá do que pra cá, o que fez que quando o pai chegasse (com a gente fingindo que via tv), só precisou nos olhar e falou: “’cês mexeram no vinho né?”. Eu ignorei e ele olhou pro meu amigo que tava junto, que disse:

Da hora né? Para ouvir as histórias dos ouvintes e dos outros membros do programa, escuta o áudio completo aqui.

SOBRE O AUTOR

Ana Szezecinski

Aquela do sobrenome complicado e que usa protetor solar 50. Jornalista.

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.